Diretor-geral define novos gestores e inovações na administração da PRF

O novo diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Eduardo Aggio, definiu mais nomes para a equipe de gestão. Nesta segunda semana de transição, diversas novidades foram anunciadas, além de operações que marcaram as atividades operacionais. A desburocratização de alguns serviços também foi uma das inovações comunicadas pelo diretor-geral, em Brasília (DF).

Durante a semana, os superintendentes foram recebidos por Eduardo Aggio, que também se reuniu com o secretário nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), com o diretor-geral da Polícia Federal e com a nova diretoria da PRF. O encerramento da Operação Tamoio e o início da Operação Flagellum evidenciaram a importância da área de inteligência e o sucesso das ações operacionais. O peticionamento eletrônico também foi uma das novidades anunciadas.

A maior operação de enfrentamento ao crime realizada pela PRF, com mais de dez mil policiais, terminou no último domingo (31). A Operação Tamoio resultou, em todo o país, na apreensão de mais de 15 toneladas de maconha e centenas de quilos de cocaína. Dezenas de armas e centenas de munições foram apreendidas, mais de cem veículos foram recuperados, além de quase 800 pessoas presas, em quatro dias de operação.

Dando continuidade nas ações de combate à criminalidade, foi iniciada a Operação Flagellum, em Mato Grosso do Sul e no Paraná. Posições geográficas estratégicas na América do Sul, nas fronteiras com Paraguai e Bolívia, foram ocupadas pelos policiais rodoviários federais. O objetivo é coibir a entrada de armas e drogas no país.

Na quarta-feira (3), durante a Operação Flagellum, o helicóptero da PRF flagrou uma embarcação suspeita no Rio Paraná com mais de 370 quilos de maconha. O indivíduo que pilotava o barco conseguiu fugir, mas o entorpecente foi apreendido.

Na agenda da semana, o diretor-geral participou da primeira reunião com toda composição da nova diretoria da PRF. Na ocasião, foi debatido o direcionamento orçamentário para atendimento das prioridades estabelecidas pela gestão.

Eduardo Aggio também esteve reunido com o secretário nacional de Políticas sobre Drogas, Luiz Roberto Beggiora, do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O principal assunto foi o fortalecimento das ações de repressão ao tráfico de entorpecentes.

Aggio ainda se reuniu com o diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, para falar sobre ações integradas entre os órgãos no combate ao crime. Foi a primeira visita oficial ocorrida entre os diretores-gerais das instituições parceiras.

O diretor-geral da PRF também recebeu superintendentes do órgão nos estados. Foi repactuado o modelo de gestão, com os que permanecem na função, e estabelecidas as entregas a serem cumpridas pelas regionais.

Dando continuidade à transição na gestão da PRF, novos superintendentes e integrantes da direção foram escolhidos, com nomes confirmados pelo diretor-geral. Fabio Williams de Sousa será o responsável pela Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC). A Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP) será chefiada por Silvia Regina Borges. A Corregedoria-Geral (CG) permanece sob a responsabilidade de Jader Augusto Roverão Bezerra.

Foram confirmados como superintendentes, nos estados, Vinicius Veiga Fleury, em Goiás; Gilson Alves de Oliveira, em Rondônia; Jean Coelho, em Santa Catarina; Marco Antonio Territo de Barros, em Minas Gerais; Maykel Bruno Rosal Lopes, no Ceará; e Juliano Quintella Malta Lessa, em Alagoas.

Ainda na agenda semanal, o diretor-geral anunciou o início do peticionamento eletrônico na PRF. O órgão deve adotar, em breve, a possibilidade de peticionamento digital por parte do cidadão. A desburocratização dos serviços é uma das diretrizes da nova gestão. Com a novidade, os usuários poderão fazer peticionamentos que só podem ser feitos pessoalmente. Uma inovação para otimizar a prestação do serviço público e auxiliar os cidadãos.

 

Conheça os gestores

A nova diretora de Gestão de Pessoas (DGP), Silvia Regina Borges, ingressou na PRF em 2006. Natural de São José dos Campos (SP), é formada em Odontologia e pós-graduanda lato sensu em Educação Transformadora. Trabalhou em diversos estados, como Mato Grosso do Sul, São Paulo e Brasília, nas áreas administrativa e operacional. Foi chefe do Núcleo de Policiamento e Fiscalização (NPF), em Coxim (MS), e chefe da Divisão de Monitoramento e Orientação à Gestão, na direção-executiva.

Fabio Williams de Sousa, novo diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação (DTIC), é policial rodoviário federal desde 2012. Formado em Engenharia Eletrônica e pós-graduado em Gestão de Tecnologia da Informação. Trabalhou no Núcleo de Telemática, na sede da PRF, foi chefe do NUTEL/RJ, sendo responsável pela implantação do rádio digital durante os jogos olímpicos, também chefiou a Seção Administrativa e Financeira (SAF/RJ), além da Divisão de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação, em Brasília.

O corregedor-geral do órgão, Jader Augusto Roverão Bezerra, tem 38 anos e graduação em Direito. Policial rodoviário federal desde 2006, teve lotação inicial na delegacia de Naviraí, em Mato Grosso do Sul. Atuou na corregedoria regional do Paraná, como analista processual e exercendo atividades cartoriais. Posteriormente, desempenhou a função de corregedor no estado por cerca de seis anos.

Gilson Alves de Oliveira, superintendente em Rondônia, iniciou as atividades na PRF em 1994. Bacharel em Direito, já exerceu as funções de corregedor-geral, chefe da Divisão de Corregedoria, coordenador de Apoio Administrativo, chefe substituto do Gabinete da Direção-Geral e, também, superintendente no Piauí.

O novo superintendente em Goiás, Vinícius Veiga Fleury, iniciou as atividades na PRF em 2006. Com formação em Engenharia Elétrica, especialização em Polícia Comunitária, em Altos Estudos de Segurança Pública e pós-graduando em Gerenciamento de Projetos. Começou trabalhando na delegacia de Jataí/GO, foi chefe do Núcleo de Operações Especiais (NOE/GO), da delegacia de Goiânia, da Seção de Operações (SEOP/GO) e, atualmente, exercia a função de superintendente-executivo.

Maykel Bruno Rosal Lopes, de 37 anos, natural de Bom Jesus (PI), é o policial rodoviário federal mais novo a exercer a função de superintendente no Ceará. Formado em Educação Física, ingressou na instituição no estado de Mato Grosso, em 2009. Ocupou diversas funções, como a chefia interina do Serviço de Operações (SEOP/MT) em Mato Grosso, chefia da 2ª Delegacia (Canindé/CE) e substituto do Serviço de Operações (SEOP/CE) no Ceará. Desde o início de 2019, ocupa a função de superintendente no Ceará.

O superintendente da PRF em Santa Catarina, Jean Coelho, tem 36 anos e é natural de Florianópolis (SC). Formado em Administração Pública, com pós-graduação em Administração Pública Avançada e em Perícia em Acidentes de Trânsito, entrou na instituição em 2005. Atuou em diversas áreas e funções, sendo lotado no Núcleo de Operações Especiais (NOE/SC), em Biguaçu, em Palhoça, em Rancho Queimado, entre outros locais. Foi chefe de unidades operacionais, do Núcleo de Policiamento e Fiscalização (NPF) e da 1ª Delegacia/SC, além de superintendente substituto no estado, entre 2015 e 2016.

Marco Antonio Territo de Barros, de 38 anos, superintendente em Minas Gerais, iniciou na PRF em 2003. É bacharel em Direito, possui vários cursos no currículo e também atuou pela instituição em diversos grandes eventos, como a Rio+20, Copa das Confederações, Jornada Mundial da Juventude, Copa do Mundo 2014, Olimpíadas 2016, entre outros. Foi membro da Comissão de Análise de Defesa de Autuação (CADA/MG), chefe do primeiro Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) em Minas Gerais, substituto do Núcleo de Policiamento e Fiscalização da 10ª Delegacia/MG, chefe do Núcleo de Inteligência (NUINT/MG), além de chefiar a 13ª Delegacia/MG (Poços de Caldas) e a 9ª Delegacia/MG (Pouso Alegre).

Natural de Maceió (AL), o superintendente da PRF em Alagoas, Juliano Quintella Malta Lessa, tem 45 anos e ingressou na instituição em 2003. Bacharel em Direito, atuou como assessor jurídico do chefe do 1º Distrito Regional da PRF, em Brasília. Foi corregedor substituto, membro da Comissão de Leilão, presidente da Comissão de Licitação, no Distrito Federal, além de participar como membro e presidente de comissões de processos administrativos. Ainda exerceu as funções de chefe do Núcleo de Assuntos Internos (NUAI/AL) e chefe do Núcleo de Policiamento e Fiscalização da 1ª Delegacia/AL, em Alagoas. Foi nomeado superintendente em 2017.