Em combate ao crime ambiental, 30 m³ de madeira que seriam transportados ilegalmente para Salvador (BA) são apreendidos pela PRF em Itabuna (BA)

O condutor tentou enganar os agentes federais informando que transportava maracujá na carroceria, contudo ao ser indagado sobre a nota fiscal, confessou que transportava madeira. Em 2020, a PRF na Bahia já apreendeu mais de 700 m³ de madeira transportados sem a documentação legal válida.

Na tarde de sábado (29), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu mais 30m³ de madeira serrada de eucalipto. Na última operação realizada pela PRF, no oeste da Bahia, foram apreendidos 124,73 m³ de madeira beneficiada que estava sem a devida documentação ambiental válida.

A ação foi registrada por volta das 15h, no KM 503 da BR 101, trecho do município baiano de Itabuna, quando os PRFs abordaram um caminhão, modelo M.BENZ/L 1513, para fiscalização e solicitaram do condutor os documentos de porte obrigatório bem como a da carga.

Em um primeiro momento, o homem tentou ludibriar a equipe, informando que transportava fruta, contudo, após alguns minutos de conversa relatou que a mercadoria embarcada na carroceria era madeira.

Por tratar-se de transporte de madeira, os agentes federais exigiram a documentação específica desse tipo de carga. Após as averiguações necessárias nos sistemas informatizados e cubagem da carga, foi detectado que o volume transportado era superior ao declarado no documento apresentado.

Questionado sobre a documentação, o motorista confessou que a nota apresentada, não correspondia à carga transportada, fato comprovado pela data de emissão e pelo volume declarado, já que após medição da carga, foram constatados aproximadamente 30m³, muito superior aos 14m³ declarados na nota fiscal.

Ele acrescentou ainda que havia carregado o veículo em Eunápolis/BA e seguiria para Salvador/BA, sem possuir a documentação legal para o transporte da madeira.

Foi lavrado Termo Circunstanciado de Ocorrência para o motorista e este assinou, também, o Termo de Compromisso se comprometendo a comparecer na audiência do Juizado Especial Criminal (JECRIM) para responder por suas condutas.