PRF realiza escolta da Imagem de Nossa Senhora de Nazaré na romaria rodoviária 2019

A Polícia Rodoviária Federal realizou nesta sexta-feira (11) a romaria rodoviária. A romaria, que tem um percurso de aproximadamente 50 km, é a mais longa das doze oficiais do Círio de Nazaré 2019. Durante sua execução a imagem peregrina de Nossa Senhora foi levada de Basílica de Nazaré até a catedral de Ananindeua, percorrendo as cidades de Belém, Ananindeua e Marituba. Na edição 2019 o evento teve início às 08 h e término às 17:30 h.

No trabalho foram empregado um aparato de aproximadamente 140 policiais distribuídos em  18 viaturas de quatro rodas e 50 motocicletas, necessárias para realização da maior escolta realizada pela PRF em todo o país, tudo isso no intuito de garantir a proteção da Imagem de Nossa Senhora de Nazaré e a segurança dos romeiros que acompanham a procissão andando, correndo e de bicicleta.

O  resultado da operação foi considerado muito positivo, visto que a escolta foi concluída sem qualquer incidente e no melhor tempo dos últimos anos: 09 horas e 30 minutos de operação.

Veja as imagens da operação clicando AQUI

Conheça a história da participação da PRF no Círio

O Círio de Nazaré é uma manifestação religiosa cristã herdada dos portugueses, em devoção a Nossa Senhora de Nazaré, que é celebrada anualmente desde 1793, no segundo domingo de outubro, reunindo cerca de dois milhões de pessoas em romarias e procissões. Ainda, o Círio foi considerado em 2004 patrimônio cultural imaterial pelo IPHAN e, em dezembro de 2013, declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.

A PRF realiza a escolta da Imagem de Nossa Senhora de Nazaré em razão de a Santa possuir status de Chefe de Estado, conforme Lei Estadual nº 4371/71, sendo considerada “Patrona do Estado do Pará”. Além disso, a padroeira dos paraenses é condecorada pelo Exército Brasileiro com honras de Marechal do Exército.

A participação da Polícia Rodoviária Federal nas romarias e procissões do Círio de Nazaré teve início em meados da década de 1990, quando a imagem de Nossa Senhora era transportada dentro de uma viatura descaracterizada da Instituição, de maneira sigilosa, na denominada Procissão Rodoviária. Durante o trajeto, a Imagem “visitava” alguns órgãos públicos até chegar à Igreja Matriz de Ananindeua.

Após alguns anos, em 1996, a Polícia Rodoviária Federal e a Diretoria da Festa tiveram a ideia de realizar o transporte da Imagem em carro aberto, permitindo, dessa forma, que os fiéis pudessem vê-la no trajeto e, consequentemente, fazer suas preces e orações diante da Padroeira.

No ano seguinte, em 1997, a Santa começou a ser transportada em um cibório – espécie de altar – numa viatura modelo F-1000, de cabine aberta.

Entretanto, a chuva e a poeira a que a Imagem estava exposta fizeram com que, em 1999, fosse colocada uma berlinda de cerca de 3 metros de altura no compartimento externo do veículo, onde ela passou a ser transportada com mais segurança

No ano 2000, implementou-se a iluminação da berlinda, já que, muitas vezes, a romaria adentrava a noite, o que permitiu que a Santa fosse melhor visualizada durante todo o trajeto.

Em 2004, foi instalado o sistema de som da viatura que realizava o transporte a fim de que os fiéis pudessem ouvir as músicas religiosas do Círio e a benção do Arcebispo de Belém.

Precursor do trabalho da PRF no Círio, o Inspetor Irlando Lopes, hoje aposentado, acerca da história da PRF no evento, declarou: “O crescimento da procissão a cada ano é motivo de orgulho pra mim. Entrei na PRF em 1996, quando a Imagem era transportada de maneira sigilosa, e, alguns anos depois, tive a oportunidade de ajudar a levá-la para perto do povo.” Ainda, complementou: “O Círio não se conta, não se mostra, se vive! Quem já viveu, entende o que estou falando!”

 

As manifestações de devoção religiosa do Círio de Nazaré ainda hoje estendem-se por todo o mês de outubro, durante a chamada quadra Nazarena, sendo a participação da PRF fundamental para a segurança dos romeiros, bem como para a integridade material da Imagem.

As romarias capitaneadas pela PRF nos festejos do Círio de Nazaré são:

  • Translado para Ananindeua

Assim chamada, porque marca o percurso da imagem de Nossa Senhora de Nazaré, da Basílica de Nazaré, pelas ruas da cidade, até a igreja matriz, no município de Ananindeua, município vizinho a Belém. Durante o percurso, que acontece na sexta-feira, a imagem da Padroeira é transportada em um veículo da Polícia Rodoviária Federal, recebendo inúmeras homenagens. A imagem passa a noite no município de Ananindeua, onde o povo fica em vigília.

  • Romaria Rodoviária

A imagem parte novamente na viatura da PRF, de Ananindeua, bem cedo, em mais uma procissão, para a Vila de Icoaraci, distrito de Belém. Mesmo sendo de madrugada, os fiéis aguardam a passagem da Santa, rendendo-lhe inúmeras homenagens.

  • Moto-romaria
    Após a romaria fluvial, inicia-se a moto-romaria, onde a Imagem é levada novamente na viatura da Polícia Rodoviária Federal da escadinha da Estação até o Colégio Gentil Bittencourt, encerrando a participação da PRF no transporte da Santa.

Com 24 anos de experiência na realização do Círio de Nazaré, o Inspetor Franklin Jorge, Superintendente da Polícia Rodoviária Federal no Estado do Pará, reafirmou a honra da PRF em participar da romaria, garantindo a segurança dos envolvidos, especialmente para ele que, como bom paraense, é devoto de Nossa Senhora de Nazaré:

“O Círio já faz parte da minha vida mesmo antes de adentrar na PRF, em 1994 (…) sempre participei da festa e, como PRF, tive a honra de participar da evolução do trabalho da Instituição no evento ao longo dos anos (…) a emoção é indescritível. O Círio tem que ser sentido! Aquela massa convergindo em torno da imagem, com o foco na Padroeira, é incrível! Nós, policiais, somos meros instrumento de realização do evento, com o dever de assegurar, sempre, o protagonismo de Nossa Senhora de Nazaré”

Por fim, concluiu: “a questão da devoção é muito grande e não há como não se emocionar com as demonstrações de fé ao longo da romaria. É muito gratificante para nós! Todo Círio traz nervosismo e tensão para que corra tudo bem, mas, ao final, mesmo com o cansaço, é sempre motivo de muita alegria saber que deu tudo certo.”