Tecnologias da PRF, SEOPI e SENASP são integradas para operacionalizar o maior sistema de monitoramento viário do país

Com a junção dos Sistemas Alerta Brasil 3.0 e Cortex, os órgãos buscam maior assertividade no combate à criminalidade e na segurança viária nas BRs de todo o país; estados e municípios também poderão ser beneficiados com sistema integrado

 

Os trabalhos de combate à criminalidade e segurança viária da Polícia Rodoviária Federal (PRF), há seis anos, contam com um importante aliado: o Alerta Brasil. O sistema eletrônico de monitoramento de veículos, que hoje opera com cerca de 2mil pontos de captura de imagens, está prestes a se tornar o maior sistema de monitoramento viário do país. É que, na segunda-feira (09), o ministro Sergio Moro, do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), e o diretor-geral da PRF, Adriano Furtado, assinaram documento que viabiliza a fusão do Sistema Córtex, desenvolvido pela Secretaria de Operações Integradas (SEOPI), ao Alerta Brasil. A Secretária Nacional de Segurança Pública (Senasp) também terá um importante papel na integração.

A ideia é promover cada vez mais a integração entre os órgãos de segurança de segurança a fim de conferir maior assertividade no combate à criminalidade e na segurança viária nas rodovias federais de todo o país, assim como no âmbito dos estados e municípios por meio de acordo de cooperação. Além disso, com a unificação, o Sistema Alerta passa a operar com mais 4 mil pontos de capturas de imagens, totalizando cerca de 6 mil equipamentos distribuídos, de Norte a Sul do Brasil, em locais estratégicos, levando-se em consideração as estatísticas de criminalidade, a violência no trânsito e os estudos acerca das “rotas do crime”.

Unificar os sistemas significa também ampliar a rede de proteção e de monitoramento que, por sua vez, implica em uma maior capacidade de geração e armazenamento de dados e informações; e com baixo custo operacional, um benefício trazido pela tecnologia do Córtex. Mas não se trata apenas de uma otimização de recursos financeiros e materiais. O “novo” Alerta Brasil impacta diretamente no recurso humano, uma vez que os órgãos de segurança passarão a compor uma rede de compartilhamento de informações, com as quais serão traçados os planejamentos operacionais e norteados os trabalhos de inteligência policial; ou seja, mais assertividade nas ações e menos desgaste do efetivo.

Com uso dessas tecnologias de monitoramento, o trabalho de combate à criminalidade e segurança viária passa a ser cada vez menos aleatório ou por amostragem. O Sistema Alerta Brasil já tem registrada a passagem de mais de um trilhão de veículos; por dia, cerca de 12 mil veículos são monitorados com uso dos equipamentos. Desse modo, as ações têm ainda mais “alvos” certos; e os resultados operacionais passam a somar números. a cada ano. mais expressivos. Só em 2019, a PRF já apreendeu cerca de 8,6 milhões de pacotes de cigarros e sete toneladas de agrotóxico contrabandeados; 10,9 mil m³ de madeira ilegal; 247 toneladas de maconha; outras 16 toneladas de cocaína; 1,2 mil armas de fogo e 56 mil munições; e recuperou mais de 4,6 mil veículos com registro de roubo ou furto. Desse modo, o reconhecimento da PRF como a policia que mais apreende droga no Brasil, por exemplo, é, em grande parte, fruto do investimento da instituição em tecnologia.

OS SISTEMAS – O Sistema Alerta Brasil foi desenvolvido pela PRF e tornou-se a principal ferramenta de monitoramento do órgão a partir de 2013. Desde então, as equipes de tecnologia vêm aprimorando as técnicas de inteligência artificial, ampliando os pontos de captura de imagens e sua capacidade de “leitura” e cruzamento de dados referentes às centenas de veículos que circulam nas rodovias federais do país.

Em 2015, o sistema foi instituído por meio do Decreto 8614. “Fica instituído o Alerta Brasil, sistema de monitoramento de fluxo de veículos, a ser gerido pela Polícia Rodoviária Federal do Ministério da Justiça e Segurança Pública, com a finalidade de integrar e compartilhar os dados e as informações sobre veículos, cargas e passageiros em rodovias e áreas de interesse da União e subsidiar ações de prevenção, de fiscalização e de repressão […]”.

Devido aos grandes resultados operacionais alcançados e objetivando a redução dos índices de criminalidade nos estados e municípios, a PRF, em 2017, desenvolveu o módulo SPIA do sistema Alerta Brasil, direcionado ao policiamento em cidades. Os estados Paraíba, Ceará e Bahia foram os primeiros a se integrarem ao sistema Alerta Brasil/SPIA.

Em maio deste ano, esta última versão, chamada de 3.0, começou a operar em todo o país. Também em 2019, o Sistema Córtex, desenvolvido pela Secretaria de Operações Integradas (SEOPI), um projeto inovador no monitoramento eletrônico de veículos,  foi utilizado com sucesso na operação Copa América. A ferramenta mostrou sua enorme capacidade de armazenamento de informações, embora opere com baixo custo operacional.

E hoje, ao Alerta Brasil 3.0 está integrado o Sistema Córtex. Para dar continuidade nessa evolução da ferramenta, os órgãos contarão também com a parceria da Secretária Nacional de Segurança Pública (Senasp).

Essa fusão entre os sistemas é mais uma iniciativa da PRF que atende às diretrizes do Ministério da Justiça e Segurança Pública que visam à redução da criminalidade e da violência no trânsito; além de ir ao encontro do propósito da instituição de ser referência de inovação, integração e conhecimento em segurança pública.